segunda-feira, 28 de maio de 2012

Meu amor Miguel

Estivemos juntos mesmo antes de nos conhecermos.
Cruzei-me várias vezes contigo quando ainda era outra a namorada que levavas a casa.
Depois, um jogo de futebol levou-nos a iniciar uma amizade.
Antes, quando ainda tinhas pera e não usavas gel.
Chorei no teu ombro por outro que queria como namorado.
E um dia, sem conseguir explicar, numa queima das fitas, tentei mostrar-te que afinal era de ti que eu gostava.
Errei. Não foi o sítio certo. E essa minha mania de dizer as coisas por palavras mais dúbias, essa minha mania dos segundos sentidos das frases e das coisas, essa minha mania de carregar emoções naquilo que tu, como verdadeiro “engenheiro” que és, não alcanças.
Errei, mas chegamos lá.
E podia eu imaginar que tantos anos depois seríamos família…
Ainda namorávamos e num aniversário, quando ainda não tinhas passado à decada dos 30, dei-te um presente que ainda hoje me orgulha. Um livro com dezenas e dezenas de páginas, para te escrever em cada aniversário. Nesse presságio de que iríamos ficar juntos por muito e muito tempo, que seria grande o nosso amor, tão grande que encheria um livro. Olho para ele e hoje já tem tantas páginas escritas.
Olho para trás e vejo tanto.
Vejo rosas brancas, amor em cartas, primeiras viagens, beijos, promessas cumpridas, colares repetidos, surpresas, troca de abraços, um “amo-te muito” a cada noite, mãos dadas, choros partilhados… um filho.
E, tal como quando te dei aquele livro pelo teu aniversário, olho para a frente e vejo tanto.

4 comentários:

  1. Olha... nem sei que diga!
    Inspirador, sem dúvida! E é inspirador porque é verdadeiro e puro... como vocês os 2!

    ResponderEliminar
  2. Repito a Ana... Não sei que diga mediante estas palavras! Apenas que desejo acompanhar muitas mais páginas desse livro da vida!

    ResponderEliminar